domingo, 27 de outubro de 2013

= VERDADE. VERDADE SIM. =

Ernest Hemingway

Interpelado respondi.

     Hemingway nada narra de idéias, pensamentos filosóficos e ou interpretações sutis do espírito. Escreveu para o mundo. Conta somente suas homéricas farras com Ava Gardner e outras, peripécias com escritores, touradas na Espanha, caçadas pelo mundo, safáris, pescarias luxuosas, festas, bebedeiras, brigas e mais cachaçadas.
       E eu ?
       Que tenho a narrar?
       Nada.
   Tabalheira com os filhos, escolas, levando estes para divertirem-se em pescarias de córregos sujos, parquezinhos, circos, fazendo brinquedozinhos para eles, festinhas infantis, criações de coelhos no quintal, reuniões escolares etc. etc. E mais etc.etc.
       Enquanto Hemingway, literalmente amarrava seu filho Bumbu ao pé da mesa e ia beber pelas ruas de Paris. Eu, (coitado de mim!), passava noites fazendo inalação nos meus. Se assim ele não fazia, viajava pelo mundo e escrevia disso.
     É de se rir. Uma vida ao seu gosto, praticando o que mais amava. 
     E eu?
    No mais muito trabalho. Muito esforço físico, muitas noites sem dormir, redigindo petições quilométricas nas máquinas de escrever antigas. Lutando neste calor tropical do Brasil, de terno, nas malhas do Direito inglório nos fóruns da pátria amada. Na solidão da roça, idealizando o impossível, com o barro, o vento e a chuva.  
   Até hoje tenho de memória ( e esta é péssima!) nome de remédios que comprava na farmácia para o uso das crianças. Os meus contraindo doenças nas ruas de terra e jogando “bete” sob a chuva. E Bumbu, de Hemingway , amarrado ao pé da mesa em Paris.
       Verdade.
     Ele é realmente o Nobel de literatura. Foi para ela que ele viveu.
      Eu ?
    Tenho meu pagamento nos filhos, na amada nora e genro. 
       Verdade. Verdade sim.
       J. R. M. Garcia.


sexta-feira, 25 de outubro de 2013

= BLOG EM JULGAMENTO =

BLOG   EM    JULGAMENTO


    
Assim expressou-se uma assídua leitora do Blog:
“Eu gosto quando conta sobre suas experiências de vida, ou sobre matérias interessantes, mas gosto também quando se interessa por falar sobre fatos que estão acontecendo e, prefiro quando usa palavras mais simples.
Fica mais gostoso de ler. Quando a leitura corre redondinha, como a de hoje.”
       Muito carinho, não acham?
   É realmente a expressão afetuosa de uma leitora que não tem muito tempo, pois trabalha demais, mas comenta com atenção e muita seriedade, o que ela sente pelo Blog.
      E outra leitora, de forma semelhante, disse:
“Nós os latinos, nos tornamos íntimos até de apresentadores de televisão e atores de novela...Dizemos boa noite para o Willian Bonner!! Logo, você tem razão quando diz na última crônica: Quando falo de mim, tenho público”. Êta povinho "dado" esse nosso rsrsrsrs...?”
       Sabem o quê respondi?
“=kkkkkkkkkkkkkkkkkk= E pensa você que sou diferente? Claro que não. Veja essa. Durmo tarde e espero o programa do Jô Soares. Quando ele termina, manda o "BEIJO DO GORDO". E eu abano a mão para ele toda noite. =kkkkkkkkkkkk= Penso que Jô é vizinho meu. Se ele entrasse pelo apartamento em espírito, eu não assustaria. Ao contrário, lhe ofereceria alguma coisa para beber. [kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk=
       Ela completou:
“Rsrsrsrsrsrs...Tudo igual kkkkkkk”
       E justifiquei:
       “Sou descendente de latinos, uai ! Católico apostólico romano. Criado em internado jesuíta, com missa todos os dias de madrugada. E com uma tendência terrível de ser Don Quixote...=kkkkkkk= Brigo por cachorros, macaquinhos, pobres e já fui até roubado nestas intervenções infelizes.....E roubado muito....=kkkkkkkkkkkkkk= Um dia conto no Blog.”
       Entendem?
     Logo, sou igual a todos vocês.
     Igualzinho, igualzinho, igualzinho.
    Procurarei escrever “redondinho” e falar mais de mim.
     Tenham um ótimo, excelente fim de semana a todas(os) vocês.
     Segunda votarei, se Deus quiser.
       J. R. M. Garcia.

PARA ENVIAR COMENTÁRIOS, OBSERVAÇÕES, CORREÇÕES, SUGESTÕES.
<martinsegarcia@uol.com.br




quarta-feira, 23 de outubro de 2013

= TUDO MUITO PESSOAL=






Ernest        Hemingway

   Vou confessar-lhes uma particularidade e peculiaridade sobre as visitas ao Blog.
Talvez vocês saibam. Não é segredo. Talvez não saibam.
     Toda vez que um leitor abre o Blog, o Google registra a entrada à margem da crônica. E, assim, vai somando, automaticamente, estas entradas. Isso me dá uma visão geral da freqüência, da qualidade da crônica, do aumento de visitações etc.
     Entendem?
     O que lhes tenho a confessar?
    Para mim uma curiosidade. Um fato que nunca imaginei que fosse assim.
   Aliás, um conselho exatamente contrário, de um dos maiores jornalistas e cronistas de toda literatura universal.
 Ernest Hemingway, jornalista, cronista, romancista de rára beleza, Nobel de Literatura 1954, dizia ao seguinte: Que não seria colunista aqueles que escreviam estas com a bunda na cadeira, na imaginação, sem experienciar os fatos que estivessem a ocorrer no texto redigido. Praticamente demonizava todos os outros, os quais não fossem correspondentes de guerra como ele próprio, em uma Europa em guerra.
  Dito isso conto-lhes que, aqui no Brasil, é diferente do conselho universal que Hemingway prolatou para o mundo.
    É uma surpresa. Meus comentários mais lidos são aqueles exatamente ao contrário do Nobel. São, todos eles, comentários intimistas, de relatos pessoais, de cunho às vezes até particulares.
     Quando falo de mim, tenho público.
  Quando falo do mundo, de idéias, de fatos distantes de minha pessoa, não tenho leitores.
       É isso aí.
       Abraços a todas(os) amigas(os).
       J. R. M. Garcia.

PARA ENVIAR COMENTÁRIOS, OBSERVAÇÕES, CORREÇÕES, SUGESTÕES. <martinsegarcia@uol.com.br


terça-feira, 22 de outubro de 2013

=HUMANIDADE SUBTERRÂNEA=

APARTAMENTO" SOB O SOLO

Robert Malthus foi um economista britânico, que viveu de 1766 a 1834. Considerado o pai da demografia por sua teoria para o controle do aumento populacional, conhecida como malthusianismo.
Este economista foi demonizado à época. Hoje ainda o é. Ele disse que os recursos disponíveis para a subsistência humana é limitado, enquanto a proliferação da espécie é ilimitada. Se assim permanecesse, chegaríamos à superpopulação na terra.
Visto assim, a lógica de sua proposta é irrefutável.
Mas, além disso, os fatos parecem dar-lhe razão.
Vejam algumas manchetes:
Em apartamentos de Hong Kong, moradores vivem em cubículos alugados que têm espaço apenas para colchão, TV e prateleiras, sob o solo.” 
Mais. 
No início, é possível que haja algum problema psicológico, mas, desde que tenhamos iluminação e ventilação adequadas, as pessoas poderão pouco a pouco superar a ideia de viver e trabalhar debaixo da terra", disse Zhao.” 
E continua:
“Já existem rodovias e túneis de trânsito subterrâneos. Estão começando as obras de construção de um bunker de petróleo, e está sendo planejado um centro de pesquisas científicas debaixo da terra, além de inúmeros dormitórios."
LOJA SUBTERRÂNEA

           E vai por aí.
       Um pedaço de céu, amanhã, pode ser apenas público. E não mais.
     Parece que, falar sobre isso, nem é de bom tom, não é mesmo?
       Um abraço amigos.
       J. R. M. Garcia.
       
       

segunda-feira, 21 de outubro de 2013

COMPRA DO BURRO


     Coletânea de fatos e eventos das prisões russas, sob o título Recordações da Casa dos Mortos.
  Sobre um ângulo, esta é narrativa do incomparável escritor russo Fiódor Mikhailovich Dostoiévsk que, talvez, possa ser interpretado como uma tragicomédia ou, por outro, como tragédia.
       Trata-se de um tumulto que ocorre por todo um dia, em uma prisão russa, onde foi concedido aos prisioneiros o direito de comprar um burro como animal de tiro, para arrastar da prisão para fora, o lixo da prisão. Durante a triste escolha e eleição do burro, morreram muitos prisioneiros. Outros foram feridos e alguns ficaram apenas em lágrimas.
       Ao final do dia todos estavam frustrados, alguns feridos mortalmente e nenhum estava contente.
       Assim é esse leilão do PRÉ-SAL.
      A COMPRA DO BURRO a ser escolhido entre empresas da Malásia, da Colômbia, da Índia, da China etc.
    Nenhuma empresa com tradição na exploração de petróleo mundial participa da VENDA DO BURRO.
       Nenhum resultado surgirá desta coisa.
       O que há é apenas tumulto, arruaça de parte a parte.
     Uma tragicomédia sem fim, para um resultado que é nenhum, e triste para todos.

       Boa semana a vocês.     

sábado, 19 de outubro de 2013

=DESGRAÇADOS CÃES=

DESGRAÇADOS  CÃES

PROTESTOS CONTRA SACRIFÍCIO DE CÃES EM SÃO ROQUE -sp-

Estes protestos e essas intervenções à revelia da Lei e da Ordem, não ocorrem desavisadamente.
Não.
Queixas houveram em São Roque, sobre os ganidos desesperados dos cães sacrificados no laboratório local de experiências.
Houve queixas ao Ministério Público local. Várias denúncias na Delegaria.
Nada.
As autoridades silentes permaneceram omissas.
Quem, em sã consciência, haveria de permanecer impávido, sem nada sentir, frente aos latidos desesperados de dor, aos ganidos de morte destes cãezinhos enjaulados em laboratório de horror?
Você ficaria mudo?
E quando fosse dar queixa ao Ministério Público, este tomasse uma medida meramente protelatória das masmorras de horror?
O que faria você?

CÃES LEVADOS PARA SEREM ABATIDOS NA CHINA

Em Santos, de forma idêntica, cães são levados à China para serem devorados por aquele infeliz país, para o abate.
Que providência toma as autoridades públicas de Santos?
Nenhuma.
Logo...
E assim são os demais protestos que, a cada dia, aumentam mais no Brasil. Por absoluto descaso das autoridades impassíveis a fazer jus de seus cargos.
Ótimo fim de semana a todos.
J. R. M. Garcia.   

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

=QUEBRA-QUEBRA=

QUEBRA-QUEBRA


NUNCA VI ISSO POR TANTO TEMPO.
INCRÍVEL !
TODOS OS DIAS, TODAS AS TARDES E NOITES, VEJO QUEBRA-QUEBRA.
SERÁ QUE NÃO VIVI?
SERÁ QUE VIVI  EM UMA BOLHA PROTEGIDA POR TODA INFORMAÇÃO?
SERÁ QUE ESTA PANCADARIA CONTINUARÁ POR TEMPO INDETERMINADO?
SERÁ QUE ESTES SÃO OS CHAMADOS “NOVOS TEMPOS” ?
QUANDO OLHO A HISTÓRIA E VEJO QUE, SEMPRE QUE OS FATOS ASSIM SE DERAM,  A HISTÓRIA CAMINHOU PARA NOVOS RUMOS.
QUAIS OS RUMOS NOVOS DESTA NOSSA SOCIEDADE CONSTITUIDA?
NOSSAS INSTITUIÇÕES DEMOCRÁTICAS E REPUBLICANAS ENVELHECERAM?
SE ASSIM FOR, ÓBVIO ESTÁ QUE O MUNDO NÃO PODE PERMANECER POR TANTO TEMPO NESTA SITUAÇÃO.
TEMOS DE IR OU PARA UM LADO OU PARA OUTRO.
QUAIS OS LADOS, NÃO SABEMOS.
MAS QUE ALGO VAI MUDAR, LÁ ISSO VAI.
O TEMPO URGE.

ASSIM NÃO É POSSÍVEL.
J. R. M. Garcia.  

segunda-feira, 14 de outubro de 2013

= QUEM VEM LÁ !=



“Quem vem lá?”
O grito ecoou no silêncio da madrugada.
Nenhuma resposta.
Era noite. Sem lua. No trilho fundo a mula ameaçava empacar.
Do alto, com o casarão lá em baixo e a “curralama” vazia, ele pouco divisava nas sombras.
O casarão abandonado tinha fama de mal assombrado.
Esporeou a mula outra vez.
Agora a coisa estava mesmo difícil e surreal.
A cavalgadura empacava. Como o trilho era fundo, ele não conseguia fazer com que a montaria voltasse de fasto e, ir para diante, ela ameaçava jogá-lo ao chão.
“Por quê diacho, aquele vulto montado sobre o trilho fundo, nem respondia aos gritos e, tão pouco, saia do caminho? Que droga!”
Assim o cavaleiro pensava.
Deu outro e mais outros gritos.
“Quem vem lá!”

Nada.


Seu revólver tinha nome. Chamava-se “nagão”. Ele apalpou-o sob a capa.
Pensou:
“Se atiro aqui, esta maldita besta vai derrubar-me e deixar-me no chão. Ficará pior.”
Era como se o mundo houvesse parado naquele instante.
Nem o vulto saía de sua posição de espera sobre o caminho fundo e, nem ele, fazia com que sua miserável cavalgadura caminhasse para frente.
A decisão tinha de ser imediata.
Pulou por cima da cabeceira do arreio no barranco, e abriu fogo a tiros rumo ao vulto.
O berro foi enorme.
“Vai me mataaaa...fi...da puuutaaaa.....”
O vulto também, com as mesmas apreensões, saiu correndo pelo cerrado sem fim, com destino ao nada e gritando.
Era na verdade outro cavaleiro que vinha em sentido contrário, o qual ali se encontrava com igual medo, horrorizado, vivendo a mesma quase tragédia.
Aconteceu com um tio avô, lá nos sertões de Minas, no início do século passado.
Tenham todos excelente semana.
J. R. M. Garcia.

sábado, 12 de outubro de 2013

= OTIMISMO =


EM UM INSTANTE DO DIA ESTE RELÓGIO ESTARÁ CERTO

Por sugestão de uma leitora, a qual me sugeriu para este sábado o tema sobre o otimismo, fico aqui remoendo palavras ao vento.
     Para dizer verdade não me vejo nada otimista.
   Fui buscar inspiração na obra magistral de Cândido o Otimista, de Voltaire, 1.759. E daí fiquei pensando, pensando sem qualquer saída. Nada.
      E o pior é que, ao postar este Blog, vi que não conseguiria, já que alguma coisa estava dando errado. Raiva e nomes feios à parte, continuo tentando.
   Ao final, quem resolveu o problema foi um telefonema a Professora. Único jeito. Com apenas uma palavrinha ela mandou-me apertar a tecla certa. Tudo resolveu.
       Morro de medo de desprogramar esta máquina tão perfeita e, daí, embolar tudo.


       Mas em fim, sobre o quê dizer do tema, heim?!
       De uma coisa tenho certeza: para piorar sempre é possível.
       Logo, se tudo está como está, já é motivo de júbilo.
       O quê vocês acham?
       Concordam?
    Concordando ou não, alguém disse com proficiência: “O simples fato de se ter um segundo de vida neste planeta, já é digno de mérito e de agradecimento a Deus, pois que bem ou mau o Destino, amanhã, joga as cartas e de, suas opções individuais, dependerá seu futuro a cada instante.”
       Certo? Errado? Bom? Mau?
       Ah! Isso também fica reservado as suas opções como, disse o anônimo sábio.
    E assim, deixando a você as interpretações desta crônica, desejo-lhe um fim de semana feliz, em meditações sobre a grandeza deste paradigma.
       A todos um forte abraço.
       J. R. M. Garcia.   
         
        

domingo, 6 de outubro de 2013

=QUAL O DESTINO ?=

´DÚVIDA

       Essa é a pergunta que, mais de uma vez, a todos nós, já ocorreu na vida.
       Não há aquele que não a tenha formulado.
     Jovem, de meia idade, velho, ignorante, culto, de qualquer raça, cor, nível social, na cidade ou no campo, todos nós fazemos.
       E já lhe ocorreu porque assim indagamos?
       Exatamente não sei.
      Contudo, arrisco dizer que, como nossa vida transcorre no tempo, o andar das horas guarda sempre um momento novo.
   A novidade que o tempo traz para todos, guarda eternamente uma dúvida.
      E essa dúvida é permanente.
      Existimos, pois, imersos no oceano do tempo.
      Logo, vivemos sempre em incerteza.
     Nosso primeiro destino, portanto, é habitar as sombras indevassáveis de uma suspeita.
      Mas seria só?

ESTE O MONGE

   Uma lenda conta que um monge tentou entender o tempo.
    Postou-se no pátio como se fosse uma estátua.
       Até hoje sua imagem está lá rígida e imortal lavrada em pedra viva.
       Moral da história?
       Não sei.
       Será que o monge vive, ainda, convertido em lápide?
       Se assim for, este foi seu Destino.
       Tenham uma ótima semana.
       Abraços.
      
        
         

sexta-feira, 4 de outubro de 2013

=ETERNA PAIXÃO=

IMAGEM     PAIXÃO     ALEATÓRIA

      Pessoas há que vivem por paixão.
    Decididamente elas atravessam este mundo sem mensurar as conseqüências  -às vezes fatais-   de seus passos neste planeta.
    Nada as impede de ser assim. Nem os erros cometidos, nem os sofrimentos, nem o desespero e mesmo as dores que sofrem.
    Talvez a idade avançada possa trazer-lhes o que se chama de “juízo”.
      Talvez.
      Mas, não muito.
  São presas fáceis de aproveitadores que, atentamente, as pajeiam para delas utilizarem de seus trágicos equívocos. Fazem o bem.....e não olham a quem.

A ESPREITA
          Uma figura animal comum, análoga a estes aproveitadores, são os crocodilos que, fingindo-se de mortos no lodaçal, espreitam com atenção a descuidada vítima até que ela caia-lhe nas mandíbulas. E...devoram-no.
       Mas o incorrigível apaixonado, se escapa, continua em sua saga descuidada.
       Isso pode ser uma sina triste, funesta e às vezes o é.
GESTO      APAIXONADO

       Porém, este assim apaixonado, jamais deixaria de olhar o horizonte como um desafio; o sol como uma esperança; o regato alegre como um convite; a borrasca como uma travessia; a aventura como um fascínio; o amor como algo que vem e vai e a vida mesma, como um turbilhão de anseios que, ao final, aspira a própria curiosidade do fim.
       Sim.
       A agonia e o êxtase habitam estas almas.
       Conheci algumas.
     Que o fim de semana seja-lhes venturoso e cheio de doces emoções.
       J. R. M. Garcia.   



quinta-feira, 3 de outubro de 2013

DARWIN NÃO EXPLICA

GESTO DE AMOR?

Olhando a “TEORIA DA EVOLUÇÃO DAS ESPÉCIES”, Darwin tem toda razão.
Como não poderia ser desta forma?
Charles Darwin formula a doutrina evolucionista, segundo a qual as espécies procedem umas das outras por evolução. Em virtude da seleção natural sobrevivem os indivíduos e as espécies melhor adaptados. A esta obra segue-se A Origem do Homem, em que aprofunda a sua teoria sobre a descendência do homem e do macaco de um antepassado comum.
Tudo está correto ali. Nada que não o seja com perfeição.
Assim, até mesmo as distantes galáxias no Universo infindo procedem desta maneira.

DARWIN

Mas...
Mas, ainda assim, o fenômeno humano grita fundo na alma.
Quem não teve pena de um cão caído em uma calçada? De um pássaro abatido por uma asa quebrada? De um animal sendo maltratado?
Em um instante, em um ato impensado, qualquer um seria capaz de intervir nestas situações gritantes, completamente desprovido de cautelas, medos e lançar-se contra o ofendido em um grito de santa ira e, ali, até sacrificar temerariamente, talvez,  sua vida.
Mesmo que aqui na pátria amada estes gestos não sejam comuns (já que somos incultos), entre outros povos temos exemplos à soberba de lançar-se a favor dos desamparados sofredores.
Pergunto: O sol, por acaso, apagar-se-ia por gesto de pura piedade de alguém que morresse abandonado em um deserto?
Não. Acho que não. O sol o desgraçaria até a morte sem qualquer piedade.
Esta a diferença entre o ser humano e as forças da madrasta Natureza.
Afirma Nietzsche, incorrigível racionalista,  que somente o homem pode fazer versos ao sol e não ao sol ao homem. Seria um reconhecimento de amor?
Tenham ótima semana.
J. R. M. Garcia.  
  

quarta-feira, 2 de outubro de 2013

QUE VERGONHA !

LASTIMÁVEL!

           Que coisa triste!
       Por quê chegamos a tanto?
       Como isso aconteceu?
       O fato do presidente do PT não saber ler, isso não infere que, de sua desdita, queira ele oprimir e espancar as professoras que não teve.
       Ao Brasil falta vergonha.
       É isso mesmo.
       É inconcebível que funcionários do Governo Federal tenham salários astronômicos, enquanto destas professoras sejam-lhes dado simplesmente pancadas.
       Não direi mais nada.
       A visão da foto já é muito.
       Que Deus nos proteja.
       J. R. M. Garcia.